Meu museu favorito de Paris

Quando eu digo para as pessoas que eu amo visitar museus, muitas me olham engraçado e até perguntam: “você não acha que isso é programa de gente mais velha não?”, mas eu acredito que ali há tantas histórias reunidas, tantos mundos a se conhecer em apenas uma pintura ou uma escultura, que eu me jogo mesmo. É, talvez eu seja uma “old soul“, como dizem os americanos, mas não me importo de ser.

Quando fui a Paris pela primeira vez, eu visitei os museus mais tradicionais como o Louvre e o D’Orsay, mas visitei também um que poucas pessoas conhecem por ele ser mais afastado do centro da cidade e menor que esses mais famosos. O Musée Marmottan Monet é o meu favorito da cidade luz e vou contar o porque para vocês.Claude-Monet-Art-Quotes

Conheci o Monet pelo livro “Linea e os jardins de Monet” e me apaixonei. Não me canso de ver suas pinturas e ele sem dúvida é meu pintor favorito. O Monet é um dos pintores do movimento impressionista mais famosos e conceituados e suas obras são expostas em diversos museus do mundo. A maior coleção está justamente no Marmottan. Lá podemos ver os quadros das Nenúfares e os quadros do jardim japonês. Digo quadros, porque Monet pintou o mesmo ambiente várias vezes, porque para ele a cada momento do dia aquele lugar seria diferente. Além disso, já no final da vida, o pintor teve catarata em seus olhos, o que também fez com que ele pintasse diferente. O que eu amo nas pinturas dele, é a genialidade de transformar borrões (sim, de perto são borrões!) em maestria.

image3 (1)

O prédio foi a casa de Jules Marmottan, grande colecionador de obras de arte e arte decorativa. Depois de sua morte, o filho Paul continuou a morar lá e a colecionar mais artefatos. Com a sua morte, a coleção foi doada para Academia de Belas Artes, que foi museografada, e passou a ser visitada pelo público dois anos depois. A partir daí, houveram várias doações para o museu, sendo a maior delas, a de Michel Monet, que doou pinturas, fotografias e desenhos feitos por seu pai.image1 (1)

Portanto, o museu, além dos quadros de Monet, também possui várias tapeçarias, artes decorativas francesas e obras de vários artistas, em sua maioria impressionistas, como Renoir, Manet, Degas e Berthe Morisot. Ah! E só para deixar claro, esse não é o Giverny, muitas pessoas acham que é a mesma coisa, mas não é ok?

image2 (1)

Do menor para o maior: Arte decorativa, Berthe Morisot e Renoir

O Musée Marmottan Monet fica aberto de Terça à Domingo das 10 horas até às 18 horas, exceto Quintas-Feiras que o horário é estendido até as 21 horas. O preço dos ingressos é 11 euros a inteira e 6,50 euros a meia. Exite um pacote que combina  o Museu com o Giverny que custa 18,50 euros a inteira e 9 euros a meia.

Não conhecia? Me conta! Já foi? Me conta! Espero que tenham gostado e tomara que todos possam experimentar sensações como as que eu tive lá.

Anúncios

O Porto por fora das rotas turísticas -Parte 2

Continuando às dicas dadas pelo Victor sobre Porto, espero que gostem!

Matozinhos:

IMG_2483.JPG

Matozinhos é uma cidade que fica na região metropolitana do Porto. Assim, não é propriamente Porto, mas como a linha do metro vai até lá, não há porque não considerar como se Porto fosse, não é verdade?
Bem, vamos ao que interessa.
Matozinhos é o lugar onde você irá encontrar um lado mais moderno do Porto. A arquitetura muda completamente, e as instalações de todos os lugares são bem mais nova. E como as diferenças não poderiam parar por aí, ao contrário da maioria das praias europeias, a Praia de Matozinhos tem areia fina, branquinha e o mar não é tão insuportável de gelado (não esperavam que fosse falar que a agua fosse quente né?! Hahaha). O clima na orla é super prazeroso, e mesmo que você não queira aproveitar a praia, o calçadão abre a possibilidade para um passeio de bicicleta, skate, patins e afins…
No fim da praia (ou início; sei lá) é onde fica o Castelo do Queijo. Eu, como amante de uma boa culinária, já tinha ouvido falar que Portugal era muito famoso pelo queijo da Serra da Estrela (É UMA DELÍCIA! Quem conseguir experimentar, verá que não minto), mas até então não tinha comido. Por isso, me dirigi logo pra lá. Contudo, como o mundo não é perfeito, não tinha nada de queijo por lá.
Na verdade, Castelo do Queijo é um nome que popularmente chamam o Forte de São Francisco Xavier, pelo fato de ter sido construído sobre uma rocha de granito que, à época, parecia com um queijo. Assim, o forte que realmente parece um castelo daqueles que se imaginamos quando criança, com uma ponte que leva até a entrada da muralha, guarda um museu histórico-militaraberto ao público. E devo confessar que por mais que tenha tido uma quebra de expectativa negativa, o museu foi outra, porém, positiva. Normalmente não pensamos muito nos pequenos detalhes que envolvem uma guerra, mas lá, ainda que de maneira mais simplificada, há detalhes do armamento, da vestimenta e do comportamento de todos aqueles que serviram ao exercito português no passado (desculpem, mas não me delongarei na história).
Ainda na visita a Matozinhos, todos devem ir ao SeaLifePorto. Ele é um aquário lúdico, não é tão grande e tão expressivo como o Oceanário de Lisboa (outro lugar que não podem deixar de ir), mas que promete trazer muito mais integração do que os aquários convencionais! A visita não é cara (compre aqui link: http://www.visitsealife.com/porto/compre-os-seus-bilhetes/), e ainda existe a possibilidade de pacotes com preços reduzidos para famílias e grupos de visitantes. E o horário de funcionamento é: Seg-Sexta 10h00 – 18h00 e Sáb e Dom
10h00–19h00.

Estádio do Dragão:

IMG_2482.JPG

O estádio do Futebol Clube do Porto foi inaugurado em 2003 para a realização da Eurocopa de 2004, sediada por Portugal. Ele é talvez um dos responsáveis por impulsionar a arquitetura moderna nos estádios. Mas não para por aí. O Estádio do Dragão foi o primeiro estádio europeu a conseguir a certificação “GreenLight”. (certificado da Comissão Europeia que premiou oesforço realizado em termos da utilização racional de energia e na qualidade da iluminação).
O povo português em geral também gosta de sempre comparecer para apoiar seu time, neste caso, o Porto. Assim, além de visitar o Museu do FC Porto que tem suas instalações dentro do próprio estádio, aconselho tentarem ver um jogo do Porto.
O estádio fica na via Futebol Clube do Porto, número 415, Porto, e está aberto para a visitação das 10hrs às 19hrs, ressaltando que as segundas-feiras o horário de abertura é, um pouco mais tarde, 14:30hrs. Os preços vão de EUR5,00 a EUR15,00 dependendo da idade e dos passeios que escolher.
E não se esqueçam: “Alêêêê Puuuuortô!” (como vulgarmente se gritam nossos irmãos portugueses).

Então é isso. Espero que tenham gostado das dicas. E não se esqueçam de reservar um ou dois dias a mais para visitar o Porto por fora do que as empresas de turismo ordinariamente colocam nas rotas!

O Porto por fora das rotas turísticas – Parte 1

Recebi da Vi (minha linda!) a tarefa de falar sobre a encantadora cidade do Porto, em Portugal. A capital do norte, como conhecida no país, é a segunda maior cidade do país, mas talvez, a que mais conquiste os turistas que nele passam.
Em 2012 e em 2014 Porto foi eleito o melhor destino de toda a Europa, prêmio concedido pela European Consumers Choice, e em 2013, apesar de não poder ter sido participante pelo regulamento interno, foi eleita pela Lonely Planet o “melhor destino de férias da Europa”. E nada disso foi atoa, posso garantir!
A cidade possui um excelente custo-benefício, principalmente quando comparada a outras cidades da Europa. A estrutura de bares, restaurantes, shoppings e hotéis não deixa a desejar em nada. Possui inúmeros pontos turísticos, que escondem um história riquíssima; sem falar é claro, no povo português, muito receptivo a viajantes estrangeiros, principalmente em se tratando de brasileiros.
Acontece que, muitas vezes as pessoas ao visitarem o Porto se restringem a visitar as “caves” de vinho, a Ponte Luiz I juntamente com o cais da ribeira e o centro histórico do Porto. Só que a cidade é MUITO mais do que esse centro que em 2 dias se visita. Por isso, trago para vocês alguns pontos turísticos (alguns talvez nem tão turísticos assim), que normalmente não estão dentro das rotas das grandes excursões, mas que sem sobra de dúvidas, não podem ser esquecidos!

Jardins do Palácio de Cristal:

Mas por que jardins do palácio de cristal, e não somente palácio de cristal? Explico. Ao contrário do que se pensa, atualmente, não existe o tal “palácio de cristal” (eu também me decepcionei com esse ponto, devo admitir). O mesmo foi demolido em 1951 e deu lugar ao Pavilhão Rosa Mota (nunca entrei e nem me lembro de conhecer alguém que tenha entrado), construído para o campeonato de hóquei em patins na época.
Histórias a parte, vamos ao que interessa. Os jardins do palácio de cristal são maravilhosos, sem nenhum exagero de minha parte! Cada parte do entorno do pavilhão possui uma temática, daí, no caminho, lhe dá a impressão de passar vários lugares, completamente diferentes. Juntos, formam uma espécie de parque em que muitas famílias e amigos vão desfrutar dias inteiros (já vi até noivas fazendo seu “book de casamento” lá).
Mas não é só isso. Para pessoas um pouco mais intelectuais (digamos assim), ainda há a possibilidade de visitar a Biblioteca Municipal Almeida Garrett, onde se encontra a galeria do palácio, e não sair completamente decepcionado por não o encontrar. Ela também está no coração dos jardins, bem próxima ao pavilhão.
É um lugar que com o mínimo de simplicidade conquista a todos. Sejam turistas, sejam moradores locais, a opinião é unânime. Todos devem visitar os jardins e desfrutar um pouco de seu dia “por alí a passear”.

Os jardins ficam à Rua de D. Manuel II, em frente ao número 282, ficando aberto 8:00-21:00hrs de Abril a Setembro, e 8:00-19:00 de Outubro a Março.

IMG_2353.JPG

Galerias de Paris:

Como não poderia faltar no Porto, falemos de uma dica noturna! O Porto é muito famoso entre os jovens europeus por ter baladas para os mais diversos gostos, a um preço mais em conta (beeeeeem mais em conta quando comparado ao Brasil, pode acreditar).
Localizada no centro histórico do Porto, a rua Galerias de Paris é o local ideal para se passar a noite. Cada balada possui um som, seja rock, reggae, sertanejo, samba, pagode (sim, eu fui em vários e vi todos estes ritmos); daí, como não se paga a entrada (a não ser que seja uma festa específica) pode-se começar a noite em uma, e ir passando para outras conforme sua vontade!
Além disso, cada “casa” possui um cardápio de drinks; e por isso, um “Pub Craw” pelo Porto vale a pena sim!
E apenas para relembrar, ao contrário do que acontece aqui no Brasil, a vida noturna começa mais tarde. Então, de uma boa descansada com o fim do dia, e vá para as ruas somente depois das 23hrs, que é, mais ou menos, quando as baladas abrem ao público. E claro, bebam com moderação (hahaha)!

IMG_2359.PNG

Nota da Viviane: esse é o primeiro Post que o Victor escreveu para o blog! Minha primeira colaboração tinha que ser dele né? Terá uma parte 2 viu? Espero que vocês gostem e deixem comentários!

Viajando de Ryanair

O post de hoje nasceu de uma conversa com o querido Ricardo. Contei a ele sobre minha experiência de viajar com a Ryanair, empresa de aviação low cost original da Irlanda. De início, fiquei surpresa por ninguém lá no tribunal conhecer a empresa, mas depois vi que a esse tipo de serviço, é mais conhecido na Europa e pelos estudantes e mochileiros que querem explorar o “velho continente” pagando pouco. Eu mesmo, só conheci por que o Victor (oi, mô!) foi de intercâmbio e quando fui visitá-lo viajamos pela companhia.

IMG_1968.JPG

Quando mostrei para o Ricardo o site da Ryanair e os preços, ele ficou muito surpreso. Os preços são inacreditáveis, conseguindo fazer uma viagem internacional por 30 euros. Muitos irão desconfiar, pensar que não é seguro ou que os aviões são péssimos, mas não é verdade. Então, porque os preços são tão baratos? Os preços são tão inacreditáveis, porque há muitas limitações, que nas companhias comuns não existem, ou serviços, que já estão nos embutidos nos preços das companhias comuns e aqui são considerados extras.

IMG_1965.JPG

A principal limitação é o tamanho da mala. Sim, você não leu errado. A Ryanair tem uma “caixa” (foto abaixo – porque uma foto vale mais que mil palavras!), que a mala que você irá levar deverá caber dentro dela. A mala, de início, não será despachada, por isso essa limitação. As medidas de acordo com o site são: 55 cm x 40 cm x 20 cm. O peso da mala também está limitado em 10 kg de acordo com o site, mas na realidade não se pesa a mala em nenhum momento. Outro fator limitador é a quantidade de malas, você só poderá levar uma mala, e quando digo uma mala, a sua bolsa conta como uma, por isso, muitas vezes elas são enfiadas dentro da maior.

IMG_1962.JPG

Os serviços considerados extras, ou seja, o passageiro irá pagar um preço a mais por ela, são: poder despachar a bagagem, lugar marcado, entrada preferencial no vôo e um muito importante, se você não fizer o check-in online também pagará! Se você pagar para despachar você poderá levar duas malas, uma que será levada com você dentro do avião e deverá se adequar às normas acima citadas e outra que será pesada quando você fizer o check-in. O preço varia de 15€ a 40€ dependendo do trajeto e se será na alta ou baixa temporada. Os lugares também não são marcados, se você quiser um específico terá que pagar (custo de 5€). Para entrar no vôo se formará uma fila e essa será a forma de preferência, exceto aquelas pessoas que pagarem para entrar primeiro (custo de 2€). É claro também, que não há comida incluída, porém se pode comprar no voo.

IMG_1964.JPG

Outro fator importante são os aeroportos que essas companhias pousam ou levantam vôo. Para ficar mais barato e também pela rejeição das companhias comuns com medo de perder clientes, os aeroportos que recebem os voos low cost são pequenos ou em cidades próximas, assim como Confins para BH. Normalmente, terá um ônibus que levará os passageiros até a estação central da cidade grande mais próxima. Aconteceu conosco em Milão e em Bruxelas, como estamos acostumados com o Conexão Aeroporto de BH foi moleza, mas é bem informado e seguro. Normalmente se gasta menos de 1 hora até a estação central, o que aumenta um pouco o tempo de viagem, mas se você não se importar ou o preço for mais convidativo que essa hora a mais, acho super válido. Uma coisa ótima da Ryanair é que ela quase nunca atrasa, de acordo com as pesquisas ela tem 85% de voos no horário!!

IMG_1961.PNG

Para quem vai viajar para a Europa e quer gastar menos ou se você sonha em fazer um mochilão essa é minha dica. Lembrando que não são todos os países que recebem a Ryanair, e nem sempre há voos de um país para outro, mesmo que seja um local que receba a companhia. Por isso, o bom mesmo é olhar com uma certa antecedência, para se planejar e pagar menos. O site sempre tem promoções e elas são ótimas. Outra companhia super famosa é a EasyJet, mas não posso falar com propriedade, porque nunca viajei com ela, mas ouvi falar muito bem, além dos preços também serem convidativos e terem outras opções de cidades diferentes da Ryanair e pousarem e decolarem de aeroportos maiores, como Charles-de-Gaule. Alguém ai teve experiências boas ou ruins? Não conhecia dessa maravilha de voos low cost? Tinha medo de usar? Me contem tudo!!!

IMG_1969-0.JPG

ATUALIZAÇÃO: Victor me contou que algumas regras mudaram desde Janeiro. Você poderá levar mais de uma mala, a primeira é como eu falei e outra menorzinha de dimensões de no máximo 35 x 20 x 20 cm. Além disso, seu assento será gerado automaticamente na medida em que fizer seu check-in online, entretanto se você quiser escolhê-lo ao seu gosto ou já na compra de sua passagem terá que pagar.

Filmes que irão te deixar com vontade de viajar

Muitas histórias contadas em filmes tem como cenário locais incríveis. Os diretores desde sempre utilizam locais reais, que são imprescindíveis para o sucesso do filme. Existem muitos filmes que nos inspiram, instigam, despertam a curiosidade sobre o local onde ele foi filmado e muitas vezes é devido a ele que planejamos nossas viagens. A maioria das pessoas falam dos filmes “Diários da Motocicleta” e “Natureza Selvagem”, que são clássicos, e eu amo também, mas vou separar aqui os meus favoritos, mesmo que não sejam os mais tradicionais.

Cartas para Julieta – Quem me conhece sabe que esse é um dos meus filmes favoritos de todos os tempos. O filme se passa em Verona, na Itália e conta a história de Sophie, uma aspirante a escritora, que ao responder uma carta muito antiga como Secretária de Julieta(sim, a do Romeu!), traz a tona uma busca de um grande amor do passado de Claire, Lorenzo, e por isso, começa uma grande aventura que mudará sua vida para sempre! Sempre tive um amor pela Itália, por amar a cultura, a história e a comida! Quando eu vi esse filme pela primeira vez eu sabia que eu tinha que ir em Verona e eu fui! A cidade é linda, super fácil de andar e super romântica, afinal é o local da maior história de amor de todos os tempos, Romeu e Julieta.

Todos os filmes da Gêmeas Olsen – Quem tem mais ou menos a minha idade, cresceu vendo os filmes das gêmeas mais famosas do show bis. A cada filme as gêmeas eram novas pessoas, que viviam aventuras em lugares diferentes. Dentre os lugares, estão presentes: Paris (Passaporte para Paris), Bahamas (Férias ao Sol), Nova York (No Pique de Nova York), Austrália (Confusão na Austrália), Londres (Conquistando Londres) e Roma (Quando em Roma). Todos os filmes mostram muito bem os lugares e são um prato cheio para quem quer ver e conhecê-los.

Comer, Rezar e Amar – Esse filme foi um sucesso na época em que foi lançado, e não era para menos, ele é baseado em um livro de mesmo nome, best-seller mundial, além de se passar em três lugares maravilhosos, Itália, Índia e Indonésia. A protagonista, é vivida pela incrível Julia Roberts, que ao se separar do marido, resolve jogar tudo para o alto e passar um ano viajando (quem não queria ter seu ano sabático?), com isso, ela vive várias tipos de experiências, todas elas incríveis!!

Monte Carlo – Já assisti esse filme milhares de vezes e assistiria de novo, sem dúvidas! A protagonista vivida por Selena Gomez mais duas meninas (uma delas a eterna Blair!), embarcam para Paris, entretanto elas se perdem do grupo e a personagem de Selena é confundida com uma socialite. Depois disso, ela embarcam para Monte Carlo e muitas confusões acontecem, inclusive novos romances! Não conheço Monte Carlo, mas desejei demais conhecer a cidade, pois o visual é simplesmente maravilhoso!!!

As Férias da Minha VidaQueen Latifah é a atriz que interpreta a personagem principal do filme. A história se passa em um luxuoso hotel na República Tcheca e a personagem principal depois que é diagnosticada com poucos dias de vida resolve aproveitá-los ao máximo!! Qualquer um que vê provavelmente deverá sentir vontade de passar férias daquela maneira pelo menos uma vez na vida, com todo o luxo, conforto e tudo mais que você queira ou sonhe!

Mamma Mia – Um dos melhores musicais já feito, somente com músicas da banda ABBA. A história de Sophie que está prestes a casar, só que para ser como ela imaginou ela gostaria que o pai estive presente, mas como ele estaria se ela não o conhece? Então Sophie encontra nomes no diário de sua mãe e chama seus 3 potenciais pais para o casamento, o que claro, se torna a maior confusão. Tudo isso se passa na ilha grega de Escíatos, então as paisagens são MAGNÍFICAS!!!!! O filme conta com Amanda Seyfried, Meryl Streep (DIVA MOR!!), Pierce Brosnan e Colin Firth. Se você sonha em viajar para a Grécia, esse é o seu filme.

Meia-Noite em Paris – Tinha que ter Paris nessa lista né? Não sou muito fã dos filme de Woody Allen, mas esse eu realmente gostei. Falando de Woody, muitos dos seus filme passam em lugares lindos, como Barcelona (Vicky Cristina Barcelona) e Roma (Para Roma com amor). Nesse em especial, Gil (Owen Wilson) vai com a noiva (Rachel McAdams) e a família dela para Paris e descobre que à meia noite, o tempo volta para o ano de 1920 e com isso ele conhece pessoas importantes da época como Salvador Dali e inclusive se apaixona por outra mulher chamada Adriana. Paris é uma cidade indescritível e qualquer filme que se passa nela só tem a ganhar!

Existem muitos mais, eu sei. Quero saber se vocês já viram alguns desses, se gostaram ou não… Se adicionariam outros (quero sugestões!!)… O fim de semana está aí, quem sabe vocês não aproveitam para assistir algum deles? Me contem tudo!! Amo quando tenho um feedback, me dá mais motivação para escrever!

Porque existe muita comida boa no mundo…

Quando eu viajo, eu gosto de ir estudada sobre o lugar no qual eu estou indo, inclusive sobre a comida típica do local. Quem não ama uma boa comida? Eu, particularmente, adoro sentar em um lugar e aproveitar uma boa refeição. Por isso, separei alguns países, nos quais visitei e amei a comida, para comentar. Além disso, vou comentar onde encontrar as delícias aqui mesmo em BH e as comparando com as originais.

Argentina

Podemos ter nossas desavenças com nossos hermanos, mas temos que admitir que eles tem uma culinária incrível! Um país que tem como comida tradicional, o churrasco, as empanadas, o dulce de leche, o alfajor não há como não amar, nem que seja um pouquinho. Quem for a Buenos Aires e quiser comer um bom churrasco, indico o Restaurante Siga La Vaca, é rodízio e o preço é ótimo, até porque nossa moeda é valorizada que a deles. Em relação as empanadas, eu não tenho um local específico, todos são bons. O dulce de leche e o alfajor também são encontrados em qualquer lugar, restaurantes ou supermercados. Aqui em BH, churrascarias não faltam, mas tem um local que está sendo super comentado chamado Parrilla Los Hermanitos, no São Pedro. Não conheço, mas ouvi dizer maravilhas! Em relação as Empanadas, gosto muito do Ayres Empanadas Argentinas, no Sion e a Pizza Sur, no Cruzeiro ou em Lourdes, todos muito bons!

IMG_0357.JPG

França

A comida francesa está tão presente em nosso dia a dia que muitas vezes nem percebemos que é típico de outro país. Quem não ama um bom croissant, suflê ou crepe? Entretanto, os meus favoritos são os doces, e como os franceses são bons nisso! Mil Folhas, Crème Brûlée, Macarons e Profiteroles são apenas alguns exemplos. O restaurante francês mais famoso em BH é Taste Vin, no Lourdes, com seus famosos suflês. Outro famoso, que eu fui com o Victor e amamos, é Mes Amis, também no Lourdes. Um novo, que eu nao conheço, mas estou louca para ir é o Au Bon Vivant, no Cruzeiro. O Ah! Bon também oferece boas opções de lanches e doces, mas a qualidade lá está oscilando muito (os macarons de lá são bem gostosos, mas nem chegam aos pés de Laudurée, mas isso só em SP ou na Europa! #triste).

IMG_0352.JPG

Bélgica

A Bélgica foi um dos lugares que mais me surpreenderam positivamente e a comida não foi diferente. Vocês devem estar pensando: o que tem na Bélgica de tão gostoso? O chocolate (#godiva) e as cervejas a maioria de vocês já ouviram falar, mas poucos sabem que os Waffles e a batata-frita são originários de lá. Quem for a Brugges não deixe de comer a batata-frita no carrinho que fica Grote Markt (praça principal da cidade, não tem erro!), que é considerada a melhor do mundo. Já os waffles, em Bruxelas tem uma loja a cada esquina, todas ótimas! Outra coisa que eu amei foi a “Flamish Meat”, um lagarto com um molho de cerveja preta, que comemos em Brugges, em um restaurante em frente ao Belfort, também no Markt, quem quiser fazer em casa, a receita está aqui. Não conheço nenhuma casa especializada em comida belga aqui em BH, infelizmente, porque eu ia ser frequentadora assídua! Entretanto, mesmo não sendo específicos, as batatas fritas do Duke’n’Duke são deliciosas e comi Waffles bem gostosos na Alessa Gelato.

IMG_0355.JPG

Itália

Quando se pensa em comida, pensa em comida italiana, certo? Pizza, Carpaccio, Lasanha, Gnocchi, Bruschetta, Spaghetti (apesar da sua origem ser obscura, uns falam que é chinês, outros árabe, outros italianos, a massa obteve a fama na Itália!), Risoto e de sobremesa o Gelatto. Da Itália, eu só conheço duas cidades, Milão e Verona (Romeu e Julieta, amor eterno!), mas já deu para perceber que quando se trata de comida, os italianos não brincam em serviço. Em Milão, existe um prato tradicional na cidade, chamado Risoto com Ossobuco, que é simplesmente incrível. Ele está presente na maioria dos cardápios, mas o original (e o que eu comi!) é o do Restaurante Savini, dentro da Galleria Vittorio Emanuele. Em BH, a Casa de Música (ex-Risoteria Sorriso!), no Lourdes, é especialista em risoto, e eu A-M-O! Em termos de Pizza, eu amo o Olegário, também em Lourdes, mas também são gostosas as do 68 Pizzaria, da Marília Pizzeria, todas em Lourdes. Os legítimos italianos mais famosos são: o Província Di Salerno , Maurizio Gallo e o Villa Roberti, mas não conheço nenhum, alguém indica?

IMG_0356-0.JPG

Esse post foi só o primeiro da série de comidas típicas, vocês gostaram? Ainda há muitos países para escrever sobre! Espero que tenham ficado com água na boca. Já foram em alguns desses restaurantes aqui em BH? Me indicam outros? Comentem!